Beber Instaposts

Viña Tondonia, um rosé raro e extraordinário com 10 anos de vida

Os rosés querem-se novos e frescos para beber à beira da piscina, diz o ditado – talvez o chavão mais palerma que conheço para definir um tipo de vinhos. Porém, no mundo sereno do produtor de Rioja, Lopéz de Heredia, o Viña Tondonia Gran Reserva Rosado, tal como os seus tintos e brancos, só sai para o mercado depois de um estágio prolongado, neste caso, após quatro anos e meio em barrica e (pelo menos) outros tantos em garrafa. É considerado um dos grandes vinhos do mundo e um dos raros rosés com grande tempo de envelhecimento.

Faz um ano, por estes dias, estava em San Sebastian e tentara comprar uma destas garrafa numa loja do centro da cidade. Bebera antes o 2008, em duas ocasiões, no Nerua e no Mugaritz, e tinha ficado impressionado com a complexidade, a subtileza e elegância deste rosé com uma década. 

Entrei então nessa loja do Casco Viejo, cuja montra dava bons indícios. O dono veio ter comigo e eu disse logo ao que vinha. Olhou para mim com um ar desconfiado e abanou a cabeça. Não tinha. Ficámos à conversa, a tirar nabos da púcara, e quando ele viu que o meu nível de ansiedade baixara, lá me confessou que o produtor lhe tinha consignado uma caixa e que ele estava a guardar uma garrafa para os melhores clientes. Todavia, apesar da minha entrada de pés juntos, o senhor tinha gostado da nossa conversa e estava na disposição de ceder-me uma garrafa (custava uns 60€, creio), mas com uma condição: eu tinha de comprar, no mínimo, outros dois vinhos diferentes de valor idêntico. Sorri, não levei a mal, mas disse-lhe, “não, obrigado”.

No fim-de-semana passado, o meu amigo @gutophilipp levou uma dessas raridades para um retiro espiritual, de “comes, bebes e crianças”, que fizemos em Estremoz e partilhou-a, entre costeletas e molejas de borrego, gritos, baba, ranho e picadelas de abelhas. Soube-me maravilhosamente bem, mesmo num contexto semi-caótico. Não sei se ele teve de entrar num esquema do género para a conseguir. Mas se o fez, ainda bem! 

Viña Tondónia, em Haro (Rioja Alta), durante o Inverno

O Viña Tondonia Gran Reserva Rosado 2010 é elaborado com as castas típicas da região, cuja vinha original, situada em Haro, na Rioja Alta, foi plantada em 1913. Entram na sua composição, Garnacho, Tempranillo (tintas) e uma pequena percentagem de Viura (branca). Desta colheita de 2010 foram produzidas 14 000 garrafas que são regateadas por lojas, restaurantes e enófilos de todo o mundo. Segundo o site Wine Searcher, encontra-se à venda em Portugal, na Garrafeira Estado d’Alma, em Lisboa, e custa 55€.

Esta secção é composta por posts publicados (ou adaptados de publicações) na conta do Instagram do autor (@migpires), ou na do Mesa Marcada (@mesamarcada_oficial) e poderão conter imagens devidamente assinaladas de outras fontes.

Nasceu em 1969 em Rio Maior e vive em Lisboa há mais de 30 anos. Ex-publicitário, é actualmente jornalista de gastronomia. Além do Mesa Marcada e de “activista” no Instagram, colabora com o jornal Público, Revista de Vinhos e escreve em publicações como a Eater.Com (onde publicou “The 38 Essential Lisbon Restaurants”) e Cook.Inc (Itália). Tem publicado o livro“Lisboa à Mesa - Guia onde Comer. Onde Comprar”, com edições em português, inglês e espanhol (na Planeta) e foi argumentista/roteirista do programa de TV “Gosto de Portugal”, da Fox  24 Kitchen.

0 comments on “Viña Tondonia, um rosé raro e extraordinário com 10 anos de vida

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: