Notas

Guia Michelin atribui pela primeira vez 3* a restaurante vegetariano (e 1* em Portugal, será possível?)

O anúncio do mais recente Guia Michelin Pequim 2021 revela um caso inédito. O restaurante King’s Joy, do chefe taiwanês Gary Yi – que passa a ser o segundo três estrelas da capital chinesa – tem a grande particularidade de ser o primeiro restaurante vegetariano a nível mundial a conseguir a classificação máxima no guia.

Sobre a experiência neste lugar, que passou de uma a três estrela sem três anos escreveu um cliente noOpen table, em finais do ano passado:

“O King’s Joy surpreendeu-me completamente. A atenção aos detalhes, quer na comida e quer no ambiente, foi impressionante. Às 21h as luzes foram apagadas e jantámos à luz de velas como parte da sua filosofia sustentável. Optámos pelo menu de degustação sazonal de 14 pratos. Cada pedaço delicado e único, foi apresentado com conhecimento e os benefícios para a saúde foram explicados. Particularmente, gostei de provar muitas plantas nativas das quais nunca tinha ouvido falar, muito menos experimentado. O fato de tudo ser biológico foi igualmente algo que apreciei. O menu era maioritariamente vegano e eles mostraram total disponibilidade em fazer algumas mudanças para torná-lo totalmente vegano para mim. Este é um restaurante verdadeiramente especial para uma celebração. Sim, o preço é alto (899RMB – 115€  – para o menu de gama média que optámos) mas este é um restaurante de primeira classe que merece os muitos elogios que tem recebido.”

Questões relacionadas com a sustentabilidade, ética, saúde e nutrição tem levado, nos últimos anos, ao aparecimento de uma série de restaurantes “plant based” (para usar o termo internacional mais comum) de cozinha de autor, a acrescentar aos menus vegetarianos que muitos restaurantes de fine dining (com ou sem estrelas) passaram a incluir nas suas propostas.

Apesar deste reconhecimento e do feito único, a quantidade de restaurantes com estrelas Michelin a nível mundial é ainda uma gota no oceano. Segundo um artigo do site do próprio guia eram apenas sete em Dezembro de 2019 – quatro na Ásia, um na América do Norte e dois na Europa:

(Actualização: já depois da publicação deste artigo fomos informados por outros leitores, entre os quais o @vegetais_de_autor, que existem mais restaurantes com estrelas Michelin, além dos mencionados no artigo do próprio guia, pelo que os incluimos também – identificados com *)

King’s Joy, Pequim, China – (agora com três, na altura tinha sido atribuída a 2ª estrela)

Wujie (Huangpu), Shangai, China – uma estrela

Fu He Hui, Shangai, China – uma estrela

Daigo, Tóquio, Japão – duas estrelas

Ajiro, Quioto, Japão – uma estrela*

Balwoo Gongyang, Seul, Coreia do Sul – uma estrela*

NIX, Nova Iorque, EUA – uma estrela

Tian, Vienna, Austria – uma estrela

Joia, Milão, Itália – uma estrela

Cookies Cream, Berlim, Alemanha – uma estrela*

Seven Swans, Frankfurt, Alemanha – uma estrela (encerra no final do ano)*

Tian, Munique, Alemanha – uma estrela*

Por cá, já não estamos nas trevas, mas em termos de cozinha vegetariana mais criativa ou autoral, ainda estamos a dar os primeiros passos. Alguns dos nossos restaurantes de topo começam a ter menus baseados em vegetais, mas restaurantes com uma proposta exclusiva neste campo são muito poucos. Dos que conheço, todos abertos nos últimos três anos, gosto particularmente do Fava Tonka, em Leça (Porto), do Senhor Uva e do Arkhe, ambos em Lisboa.

Gnochi de vegetais de João Ricardo Alves, do Arkhe

Este último, o Arkhe, de João Ricardo Alves – que passou pelo Joia, que referi acima, em Milão – e Alejandro Chávarro – que foi escanção do L’Astrance, na altura com 3 estrelas, em Paris – é o que mais se aproxima de um modelo elegível a uma estrela Michelin. A dupla, inclusive, não esconde que gostariam de alcançar esse patamar, embora digam que não é com esse objectivo que trabalham, além de terem noção de que precisam de melhorar em certos aspectos e que não vêem muito a Michelin a ir nesse sentido, em Portugal.  

* este restaurante não faz parte do artigo da Michelon, mas foi acrescentado posteriormente depois de termos sido avisados por um leitor atento.

Fotos retiradas dos sites dos restaurantes e do Guia Michelin.

Nasceu em 1969 em Rio Maior e vive em Lisboa há mais de 30 anos. Ex-publicitário, é actualmente jornalista de gastronomia. Além do Mesa Marcada e de “activista” no Instagram, colabora com o jornal Público, Revista de Vinhos e escreve em publicações como a Eater.Com (onde publicou “The 38 Essential Lisbon Restaurants”) e Cook.Inc (Itália). Tem publicado o livro“Lisboa à Mesa - Guia onde Comer. Onde Comprar”, com edições em português, inglês e espanhol (na Planeta) e foi argumentista/roteirista do programa de TV “Gosto de Portugal”, da Fox  24 Kitchen.

1 comment on “Guia Michelin atribui pela primeira vez 3* a restaurante vegetariano (e 1* em Portugal, será possível?)

  1. 👏🏼👏🏼👏🏼Belo artigo. E faço votos que mais restaurantes de Portugal sejam recompensados com a menção no guia. E se o Arkhe estivesse seria incrível!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: